Cidades
Viagem pelos sabores de Itália
É como disse certa vez Martin Scorsese: “Se a tua mãe faz comida italiana, porque é que hás-de ir a restaurantes?”. Esta é uma das experiências gastronómicas mais populares do mundo e só por essa razão vale bem a viagem! Venha conhecer alguns dos pratos típicos de Roma, Veneza e Milão. Buon appetito!
Veneza

Deste triunvirato, é a cidade menos conhecida pela sua gastronomia. Será mais famoso o cocktail Bellini, no Harry's Bar, do que qualquer acepipe da Sereníssima. Mas a ausência de fama é injusta e deve-se ao facto de a cozinha desta cidade não se encaixar bem na nossa ideia de comida italiana (piza e pratos de massa, mais típicos do sul, de onde saíram a maioria dos emigrantes que a tornaram famosa nos E.U.A.). Esta é a terra da polenta, do arroz e do peixe e marisco vindos da lagoa e do Adriático. Um dos pratos típicos é o Vermicelli al nero di sépia (aletria com tinta de lula ou choco), assim como as seppie col nero (chocos com tinta). Experimente também polenta e schie (pequenos camarões da lagoa numa cama de polenta em puré) e o famoso risi e bisi (arroz com caldo e ervilhas). Para corajosos, sugerimos igualmente o fegato alla veneziana (fígado de vitela frito em azeite e vinho branco)!
Mas a verdade é que os venezianos têm o costume de comer pequenas entradas (cicchetti), um pouco à moda das tapas espanholas, que são uma excelente forma de provar vários sabores da região. Um baccaro (local que serve estes petiscos) muito famoso é a Cantina do Mori, perto do Rialto, uma verdadeira taberna à moda antiga, com petiscos que devem ser acompanhados com a respetiva "sombra" (chama-se ombra ao copo de vinho branco). Perto, na Cantina do Spade (tão antiga que diz-se que Casanova costumava petiscar na casa), prove a entrada sarde in saor (sardinhas marinadas servidas com pinhões ou passas), o baccalà mantecato (um prato típico de bacalhau), o risotto de peixe ou os chocos com polenta. Se estiver em Veneza a um sábado à tarde não deixe de ir provar o peixe e marisco do Il Muro, uma verdadeira tradição! E de sobremesa? Baci in gondola, claro!
Roma
 
A cozinha tipicamente romana, na realidade, é uma amálgama de pratos de muitas regiões italianas levados por todos aqueles que foram para a capital em busca de trabalho e melhores condições de vida. A mais tradicional evoluiu a partir da cucina povera: no fundo, refeições populares entre as classes menos favorecidas que davam uso ao chamado "quarto quinto", os órgãos e pedaços de carne que sobravam depois de vendidos os melhores cortes, como o lombo ou a vazia. Seja como for, aqui, estamos firmemente em território da massa! O spaghetti à carbonara é um dos pratos obrigatórios, bem como os bucattini alla matriciana, o spaghetti alle vongole (isto é, o esparguete com amêijoas, um dos poucos pratos típicos que faz uso de bivalves, pois, apesar de estar perto da costa, a cidade não tem grande tradição de consumo em lota) e o simplicíssimo e delicioso spaghetti cacio e pepe (com queijo pecorino e pimenta).
Para provar estas e outras maravilhas vá até ao restaurante Da Enzo Al 29, no encantador bairro de Trastevere, que se propõe servir pratos típicos da cozinha romana, tais como pollo alla romana (frango com azeite, alho, tomate e manjericão) ou a rústica tripa com cenouras, cebola e queijo. Para um restaurante bem tradicional visite a Trattoria da Danilo, com as suas mesas cobertas de toalhas aos quadrados e paredes repletas de fotografias de visitantes célebres, e deleite-se com massa caseira acompanha de alcachofras ou o baccala' alla romana. Já se sabe que visitar a Cidade Eterna significa passar muito tempo de um lado para o outro, e para dar conta daquele ratinho a meio da manhã ou tarde nada como a pizza al taglio, cortada em retângulos e disponível em muitas padarias. A Salumeria Roscioli é um exemplo perfeito, bem no centro: uma charcutaria com restaurante e uma extensa carta de vinhos regionais. Experimente a pizza bianca (sem cobertura) e deliciosos petiscos fritos!
Milão
 
A capital da Lombardia sempre foi uma cidade burguesa e abastada e a sua gastronomia espelha isso mesmo. Aqui, o açafrão (a especiaria mais cara do mundo) tempera os pratos mais típicos e a carne é de grande qualidade. Mas, devido à sua localização, perto dos Alpes, todos os laticínios, e, em especial, as numerosas variedades de queijo, fazem também honras à mesa. Vamos encontrar menos tomate, azeite e menos massa nas preparações da cozinha tradicional, pois impera o arroz. Assim, o prato que não pode perder é o aromático risotto alla milanese, temperado com açafrão e vinho branco. Mas comece pelas sopas: a zuppa di porri e bietole (alho francês e acelga) ou a pavese (com ovo e pedacinhos de pão), seguidas de apetitosas entradas de bresaola ou carpaccio (na primeira a carne é seca, na segunda as finíssimas fatias estão cruas). Tudo isto para ganhar fôlego para secondi piatti de peso: cotoletta alla milanese (costeletas panadas e fritas) e ossobuco (medalhão de vitela, com osso, servido com gremolata - raspa de limão, salsa e alho - e risotto). Se preferir algo mais leve opte pela piccata milanese (filetes de galinha passados em ovo farinha e queijo parmesão, servidos com cogumelos) ou tortelli di zucca (ravióli recheados de abóbora).
O Ratanà é um dos restaurantes apostado em recuperar os sabores da cozinha tradicional da região e uma excelente opção para os descobrir. O encantador Al Garghet é mais longe do centro, situado num antigo edifício monástico com origem no século XIII, mas vale a pena não só pela sua interpretação das receitas clássicas como também pelas suas salas, decoradas à maneira inglesa e provençal. Para as sobremesas, o clássico desta cidade, que entretanto já conquistou o mundo, é o panettone, mas não deixe de provar os cannoncini (tubos de massa folhada recheados de creme) da Pasticceria Supino ou da Panarello (decidir quais são os melhores dá origem a acesas discussões entre locais portanto o melhor será provar ambos!).